LETRAS E TXTs

INFOLIXO

 

Aeroplanos pairam. Pessoas piram

Ruminando o infolixo, cobiçando inutensílios

Bárbaros aos berros geram impasses sociolinguísticos

Para a bipolaridade: carbonato de lítio

FELIZ DIA NOVO

 

Você, aprendiz

É dono do seu nariz

Não há juiz

É só sua a diretriz

 

Conte consigo. Com sua mente, seus sentidos

 

Toque seus 300 tamborins

Tenha um amor de meretriz

E lembre-se: bons dias pedem bis

Enfim: seja feliz

UMPOSSÌVEL

 

Daqui a alguns anos, quando não der mais pra respirar, todo mundo vai fumar cigarros de oxigênio – que a Souza Cruz vai patentear.

Como disse Felipe Ferrare: “a estátua da liberdade segurando o pau de Bin Laden”.

Entre boletos e baladas, o logocentrismo.

Marcas? São palavras cruzadas. Novos modelos de camisas de força.

Sundays de chumbinho.

Mas temos as boas vibrações, a força do carisma. Sem rataria, sem mesquinharia.

“Cada homem é aquilo que ele mesmo fez com aquilo que fizeram dele”, disse Sartre.

No fundo, no fundo, o mundo é uma terapia de grupo.

CAMELÔ

 

Vendo tudo que você quiser comprar

Por um preço maneiro, que você pode pagar

Se não tiver na banca, eu mando buscar

 

Tô no meu direito de correr atrás

Trouxe meu morteiro e hoje tô com gás

Não vão melar a grana do meu fim de semana

 

Eu vendo hardware

Eu vendo software

Eu vendo surf wear

Tênis pra qualquer pé

N’OUTRA VELOCIDADE

 

Pra quem tá estressado

Sessões de shiatsu

Cerveja no Baixo

Três copos de calma

 

Cochilo na praia

Mergulhos na paz

 

É n’outra velocidade, embora nessa cidade quase tudo feroz

 

Hoje não queremos planilha, projeto, payback

Queremos um samba de breque, um pileque

(Do you have ou quer que eu leve?)

MÁQUINA DE FAZER NOSSA TERRA TREMER

 

Aeronaves cibernéticas, sem tripulação

Na velocidade da onda, na nossa direção

A potência da ciência versus a frequência da ganância?

A potência da ciência na frequência da ganância

 

Ressonância em placas tectônicas geram terremotos por microondas

Desabilitam eletroeletrônicos, perturbam funções cerebrais humanas

 

É a máquina de fazer nossa terra tremer

 

Se você não entende o que eu digo, faz sentido o que estou transmitindo?

O recado é geofísico – sísmico. Invisível, faz sentido

 

O protocolo articulado, configurado experimenta

Latitude, longitude, modo linear ordinário

Kilowatts tensos, sinal de radar intenso

Antes do furacão, um raio de dipolos cruzados

 

É a máquina de fazer nossa terra tremer

 

A nova era, eletromagnética, fervendo a ionosfera.

SUMIÇO (gravada pela Sequelândia)

 

Agilizo um sumiço

Pra gente ficar junto

Longe disso tudo

 

Agilizo um sumiço

Um abrigo, um carinho

Pra gente evaporar pelo caminho

 

Um cativeiro maneiro

Nenhum tiroteio

Sem radar, sem freio

 

Um céu pra nós dois…

… E o mundo fica pra depois

PRA QUE CRIAR CASO?

 

Pra que criar caso?

O caso dá muito trabalho

Tá pensando que o caso é um cachorro

Ou que o caso é um papagaio?

 

Você bota água pra ele beber

Um jornal pra ele cagar

Ração pra alimentar

E eu prefiro não criar

 

O caso é seu dilema, visto de um ângulo freudiano.

Peço que neutralize-o entregando a um monge tibetano

Ou entregue aos especialistas em criar caso no cotidiano: reúna a imprensa, culpe um iraquiano, chame a carrocinha da ONU

Ou deixe-o na porta do Vaticano.

VIDA É VERTIGEM

 

Esquizoterno

Esquizoestéreo

 

Escapismos hedonísticos

Transtornos psíquicos

Delírios paranóides

NOSSA PRAIA

 

O mundo é uma casa, cheia de crianças correndo pelo mapa.

É a nossa praia.

Balançamos com as ondas numa serenidade zen-sambista.

Os lugares continuarão cheios de pessoas vazias, perdidas numa pseudo-alegria de micareta: ninguém goza, todo mundo beija.

Minúsculas certezas, armaduras e vaidades, nada valem.

US MALUCO TÃO FICANDO DOIDO

 

Us maluco tão ficando doido

Fazendo feijoada na cafeteira

Os maluco tão ficando doido

Pegando tangerina na mangueira

 

Mas eles são gente. Gente fina, simplesmente

 

Us maluco tão ficando doido

Porque a vida é uma grande brincadeira

Us maluco tão ficando doido

Montando seu mosaico de incertezas

 

Dias cheios de endorfina

Vibrações boas, vindas

 

Us maluco tão ficando doido / Mas nunca foram parados pelo Bope

Us maluco tão ficando doido / Nem foram entrevistados pelo Ibope

SOLUÇA

 

Problema: o pessimista tem, o otimista resolve.

Entre um e outro, acima de todos, o tempo…

que em caso de impasse,

ao passar o dissolve.

UM MONTE DE GENTE

 

Na minha cabeça vive um monte de gente:

Um mergulhador de rede de esgoto

O juiz artilheiro

Um enxugador de gelo

E o segurança de coqueiro

 

O despachante de carga elétrica

O vendedor de troco

Maquiador de defunto

Salva vidas de bolas de golf

E aprendiz de homem-bomba

 

Cada um escolhe a hora de passear

Com meus, seus, desvarios

Devaneios a inusitar

TUDO É FEITO PRA VOCÊ DANÇAR  (gravada pela Sequelândia)

(Gutz e Gimene)

 

Vivem(os) cercados de grades e câmeras no portão

Aguardando conectados pela próxima invasão

Ou procurando desesperados em folhetos a tal promoção

Que vai financiar a felicidade em 12 vezes no cartão

 

Tudo é feito pra você dançar – e o melhor é que você dança

Tudo é feito pra você dançar – e o melhor é que você dança

 

É o marketing agressivo mandando é tiro pra tudo que é lado

Porque anda uniformizado e catalogado o alvo fácil

As notícias são fabricadas, o terrorismo é patrocinado

E a revista Caras ainda não visitou a casa do caralho…

 

Tudo é feito pra você dançar – e o melhor é que você dança

Tudo é feito pra você dançar – e o melhor é que você dança

 

? A bíblia é o contrato social da mais perigosa multinacional

? Mendigo não vai ter cartão pra sacar esmola no banco 24 horas

O sistema inventa o problema e o espalha pra gerar reação

E num piscar de leds o mesmo sistema traz a solução

PAPAGUEANDO

PASSA

 

Se você passar o tempo vivendo, ele passa.

Se você passar o tempo pensando, ele voa.

Se você passar o tempo esperando, ele acaba.

Presente do Indicativo

eu papagueio

tu papagueias

ele papagueia

nós papagueamos

vós papagueais

eles papagueiam

 

Pretérito Perfeito

eu papagueei

tu papagueaste

ele papagueou

nós papagueamos

vós papagueastes

eles papaguearam

 

Pretérito Imperfeito do Indicativo

eu papagueava

tu papagueavas

ele papagueava

nós papagueávamos

vós papagueáveis

eles papagueavam

Presente do Subjuntivo

eu papagueie

tu papagueies

ele papagueie

nós papagueemos

vós papagueeis

eles papagueiem

 

Pretérito Imperfeito do Subjuntivo

eu papagueasse

tu papagueasses

ele papagueasse

nós papagueássemos

vós papagueásseis

eles papagueassem

 

Futuro do Subjuntivo

eu papaguear

tu papagueares

ele papaguear

nós papaguearmos

vós papagueardes

eles papaguearem

Pretérito mais-que-perfeito

eu papagueara

tu papaguearas

ele papagueara

nós papagueáramos

vós papagueáreis

eles papaguearam

 

Futuro do Presente

eu papaguearei

tu papaguearás

ele papagueará

nós papaguearemos

vós papagueareis

eles papaguearão

 

Futuro do Pretérito

eu papaguearia

tu papaguearias

ele papaguearia

nós papaguearíamos

vós papaguearíeis

eles papagueariam

Imperativo Afirmativo

—————

papagueia tu

papagueie ele

papagueemos nós

papagueai vós

papagueiem eles

 

Infinitivo Pessoal

eu papaguear

tu papagueares

ele papaguear

nós papaguearmos

vós papagueardes

eles papaguearem

  

Gerúndio: papagueando

Particípio: papagueado

 

pa.pa.gue.ar
Verbo intransitivo.
Falar muito, e como o papagaio; palrar.

CINENARCOGRÁFICO!

 

A ocupação foi cinematográfica.

O Estado poderá alugar o território: através da polícia, vender as drogas. Através da milícia, repassar as armas. Esconder provas e sortear culpados.

A mídia, grande parte catastrofista, bota pilha com seus palimpsestos e depois amacia.

Cinenarcotrágico. Cinetragicômico.

—————————————

A noite contigo é tão alegria

que não acaba: VIRA DIA(S)

AQUELA ONDA, AQUELA BRISA

 

Dançaram como se ninguém estivesse olhando

Bombando na pista, sorrindo brindando

Na batucada ele sambava, no rock ’n’ roll ela surtava

E nas levadas da noite o casal se acabava

 

Era o clima do cara

Era o clima da mina

 

Trocaram idéia, trocaram saliva

Até o sol invadir as retinas

Encheram a cara, perderam a linha

(Ela perdeu a pipa e a rabiola)

ONTEM SEUS OLHOS NÃO GANHARAM UM CÉU AZUL?

 

Ao invés de externar sua consciência crítica e desenganos filosóficos, vestindo espinho…

 

Permita que o palhaço ria de você

Que o mar te abrace, te veja

Que marte te receba

Que um bom dia, um dia bonito, te mereça

DEPOIS DA FAIXA AMARELA

 

A vida tá passando e a gente passando a mão na bunda dela,

que, gostosa, dança com cada um de nós depois da faixa amarela.

KAGANDHA Y ANDANDHA

 

Vai dar tudo certo, desencana

Rola luz e proteção de duas entidades indianas:

Kagandha y Andandha

NINGUÉM RIU

 

No fim do dia, o cansaço te abraçava

Junto com a solidão e a raiva

 

Passava o tempo, passava o rodo e nada

Você saía à procura de conforto e não ouvia uma palavra

 

Cenas perdeu, trancado no seu seriado

Piadas contou – e ninguém riu

 

Quis sair

Se arrumou

E caiu

 

Todas as ilhas que você construiu

Sumiram do mapa quando a maré subiu

JACARÉ QUE DORME VIRA BOLSA (letra gravada pela banda “Djangos”)

 

Liga a seta pra direita, encosta e desce

Já rola um boato que você é a bola 7

Que teu anjo da guarda já tá bolado

A fim de sair logo do teu lado

 

Jacaré que dorme vira bolsa

Já sabem onde tu dorme e qual é o teu caminho

Segura a tua goiaba e vai vivendo sossegado

Vai seguindo teu rumo de cabra marcado

 

Nêgo tá disfarçado de borracha, pra te apagar

Nêgo tá disfarçado de PABX pra grampear

A malandragem, disfarçada de zagueiro, vai te derrubar

Na área é penalty e o juiz não vai nem apitar…

 

Tem um X9, X-Burger, passando toda a informação

No movimento, ligado na situação

O GPS fornece a tua localização

Por um chip implantado na tua obturação

ADMIRALGO

 

Embaixo da amendoeira

Nenhum som de britadeira

Um papo sem eira nem beira

Em volta da fogueira

 

Amanhecer-se | desmesquinhar | transparecer

 

Relax na cachoeira

O visual das paineiras

A espreguiçadeira

Uma boa trepaderia

 

Sorrir-se | jamais empedernir | praiar

 

Um dia tranqüilo…

De bobeira

Tudo festa

Tudo feira

 

– Paz, amor e barriga cheia

JOÃO GILBERTO JUNKIE (VIOLEIRO MALOQUEIRO)

 

João Gilberto junkie quando toca é punk

Bebe, fuma, cheira e xinga. Nenhum juízo na moringa

Com um banquinho, um violão e um pedal de distorção

Ele afunda o barquinho – derruba o samba junto com o avião

 

Chega no palco pancadão

A primeira música canta a capella, pra desbelotar no violão

Oferece pra platéia, diz que é dia de festa

Toca alto, topa todas

 

Em Copacabana, prancha uns 10 por semana: cracudo, PM ou bacana

Mas seu “adevogado” é mais forte que o santo: 52 habeas corpus por ano

Hardcore, nunca dorme. Se a grana encurta, trafica, cafetina

Trampa de garçom pra clonar um cartão

Vende pacote na agência de viagem e dá balão no reveillon

 

Vive de som

OS ÚLTIMOS SERÃO OS PRIMEIROS

 

Se os últimos serão os primeiros,

os feios serão os bonitos.

O mundo vai dar um giro

e você vai me querer.

* 288 DO BEM (gravada pela Sequelândia)

 

Da mesma paz o cachimbo – e todo mundo curtindo
Um banho de sol nesse hospício – um banho de sol

Aqui ninguém é vip, aqui ninguém é chique
Todo mundo largado e muito mais irmão
Aqui ninguém é vip, aqui ninguém é chique
Todo mundo duro e muito mais diversão

288 do bem – tá formada a quadrilha
Chegaí, chegaí, só família

Aqui a gente anda pra frente – caiu, levanta
Aqui a gente anda pra frente – às vezes caga e anda

Lavando a consciência, deletando o que não presta
Doando o que não se usa, tomando o que interessa
Aceitando o que não se muda na correria ou na calmaria
”Tâmu” no Brasil, “tâmu” na luta…

288 do bem – tá formada a quadrilha
Chegaí, chegaí, só família

 

* No código penal brasileiro, o artigo 288 significa formação de quadrilha – somos uma quadrilha do bem.

RAGGAMOPHO / Cada George Bush tem o Bin Laden que merece (gravada pela Sequelândia)

(Gutz e Gimene)

 

Eu viro lata, viro lata de cerveja

Viro concreto e lata d’água na cabeça

Você enfia um troco pela minha goela

Eu até como, mas não cago uma moeda…

 

Fico puto quando vem a conta da Light

Na seqüência vem a CEG, vem Cedae

Multinacionais… multinacionais, mas…

 

CADA GEORGE BUSH TEM O BIN LADEN QUE MERECE

 

Seu ego não cabe nesse terno

Você se acha esperto rindo de qualquer protesto

Com seus amigos canibais digitais

Bebendo uísque em paraísos fiscais

 

O Che Guevara assassinado pela CIA dá as caras na C&A

O Che Guevara assassinado pela CIA dá as caras na C&A

 

CADA GEORGE BUSH TEM O BIN LADEN QUE MERECE

 

Bolado com esse mundo torto nesse raggamopho. “Hip hop style”, falando “pacaryle”

 

– Sheena is a punk hacker.

LADO

 

Amor não é como a gente se prende.

É como a gente se rende.

 

A alegria de oferecer – incondicionalmente.

Amor de mundo, amor de espírito, amor de gente.

 

Não tem fórmula nem formato.

Nem sempre sob o mesmo teto: é sobre o mesmo tato.

 

O amor só precisa do outro lado.

MÚSICA PARA MEIA DÚZIA

 

Não precisa tocar na rádio

A rádio já não se toca

Tudo é a cópia da cópia

 

Não precisa rolar na TV

A tv nem se liga

Tudo é a cópia da cópia

Cópia do mapa da mina

UMA CUÍCA NA CUCA (gravada pela Sequelândia)

 

Às vezes parece que a gente tem

Uma cuíca na cuca

 

Dá tilt na fala

E zique-zira na cara

No dia seguinte

Neosaldina e água

 

Algum excesso de informação?

Na nossa vista muito neon?

É neurose do dia-a-dia

Ou overdose de burocracia?

 

Até pra limpar a bunda o papel tem duas vias!

UM OLHO NA CERVEJA E O OUTRO NO CIGARRO

 

Tem um saco de gente fina no fino da nossa bossa

Que tira a verdade do peito e leva pra fora

Contracomunicando de forma antiacadêmica

Cinelivros / Stereolinks / Camelókis peer to ‘píer’

 

Tem um saco de gente fina no fino da nossa bossa

Que sabe chegar nessa roda – e pode voltar a qualquer hora

Que divide a mesma casa, rua

Oferece a mesma lua, nova

 

Mas cada um leva a vida na pressão que aguenta

Tem dia que ela tá baixa, tem dia que a chapa esquenta

 

Sem pagar mico, sem pagar caro

Um olho no lazer e o outro no trabalho

Sem pagar mico, sem pagar caro

Um olho na cerveja e o outro no cigarro

AMANHECEU

 

Amanheceu

e nós

somos os últimos postes

acesos

 

Você, bêbada

Eu, bêbado

O TÉDIO PROSPERANDO

 

Não é você que gasta o dinheiro

O dinheiro é que te gasta

Te desgasta

 

A TV? Te assiste

E, dedo em riste,

Te adormece

 

Emburrecem-nos, ambos

É o tédio…

É o tédio…

É o tédio prosperando

TIRA ONDA >>> TIRA GOSTO

 

Todo bar é um mar

De prosa, verso e besteira

Todo bar é um lar

Sala de estar até a saideira

 

Ela tira onda, eu tiro um gosto

Beijo rosto, puxo papo

Um sarro prepara a decolagem

Quero seu sorriso pra viagem

O NOVO

 

O novo tá no ovo:

Logo logo nascerá

De novo

 

Quem estiver, verá

Uns outros

DE TUDO PRA TODO MUNDO

 

Calma pra quem tá puto

Grana pra quem tá duro

Menos pra quem vai muito

Carinho para as putas

Rango para os meninos de rua

A paz de Buddha

As ondas do mar

Filhos de Gaia, nessa gandaia, de papo pro ar

Gira, deixa a vida girê… Gira, deixa a vida girar

 

Seria muito bom se tivesse de tudo pra todo mundo

CHEGUE LOGO (para meus filhos)

 

Chegue logo, chegue pra gente te ver

Reaprender contigo o “b-a-bá” de se viver

 

Em que canto você vai dormir, ainda não sei

Só sei que meu lugar será eternamente seu

 

Um dia iremos morrer

E por isso, o que aqui teremos?

Apenas o melhor que pudermos fazer

 

E isso é tudo:

Ser

Ter o que se dá

TUDO DROGA

 

Mentira, prazer, rotina

Consumo, tecnologia

Grana, novela, raiva

Game, poder, inveja

 

É tudo droga – só muda o preço e o traficante

 

Álcool, café, cigarro

Domingo na televisão

Speed, maconha, Coca

Na praça de alimentação

 

É tudo droga – só muda o preço e o traficante

 

Anfetamina, whey, estimulante

Heroína, aspirina, calmante

Benzina, azitromicina, dipirona

Morfina, ecstasy, dimeticona

 

É tudo droga – só muda o preço e o traficante

 

Drogaria, drogaria… quais dessas você usa todo dia?

Revira os olhos em convulsão com a overdose de informação?

Se entorpece, se vicia com a toxicidade do dia-a-dia

Dependente psíquico do controle remoto que te alivia

 

“Os homens são melhor governados por seus vícios que por suas virtudes.” Napoleão Bonaparte.